É um prazer receber você no Site Oficial da Paróquia São José

São José do Goiabal   .   Minas Gerais   .   20 de abril de 2024

27/02 Notícias da Igreja Igreja e maçonaria, Staglianò: “são profundamente inconciliáveis”
Compartilhar

O presidente da Pontifícia Academia de Teologia, em entrevista à mídia do Vaticano, reitera as razões da incompatibilidade entre a fé católica e o pensamento maçônico: “Nossa ideia de Deus não é ditada pela razão humana, mas pela Revelação. Também divergimos quanto ao significado profundo da fraternidade e da caridade”. Os fiéis que se unem às lojas maçônicas estão em um estado de pecado grave: eles não podem receber a comunhão.

Federico Piana – Cidade do Vaticano

Ouça e compartilhe

“A heresia maçônica é uma heresia que está fundamentalmente alinhada com a heresia ariana”. O presidente da Pontifícia Academia de Teologia volta a explicar claramente à mídia do Vaticano a inconciliabilidade entre a Igreja Católica e a maçonaria. “Afinal”, diz o dom Antonio Staglianò , “foi precisamente Ario que imaginou que Jesus era um Grande Arquiteto do Universo (como a maçonaria considera o Ser Supremo) negando a divindade de Cristo. É por isso que o Concílio de Nicéia, cujo 1700º aniversário celebraremos em breve, afirma com veemência a verdade sobre Jesus, que é gerado e não criado, Deus de Deus, Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro”.

Deus e não o ‘Grande Arquiteto do Universo’

E é precisamente a ideia do “Arquiteto do Universo” ou do grande “Relojoeiro” defendida pela maçonaria que é incompatível com a ideia católica de Deus. “Porque”, continua Staglianò, “essa ideia é fruto do raciocínio humano que tenta imaginar um deus, enquanto o Deus dos católicos é fruto da própria Revelação de Deus em Cristo Jesus. Em essência, é o fruto de um evento histórico no qual Deus se fez carne, aproximou-se dos homens, falou a todos os seres humanos e os destinou à sua salvação”.

Distâncias siderais

Até mesmo o conceito de irmandade expresso pela maçonaria está a anos-luz de distância do conceito de fraternidade da fé católica. Dom Staglianò afirma que “nossa fraternidade é estabelecida no sacramento do amor de Deus em Jesus, é estabelecida na Eucaristia, não apenas na ideia genérica de sermos irmãos”. O mesmo raciocínio, acrescenta o prelado, pode ser aplicado à caridade cristã, que “não tem nada a ver com a filantropia maçônica. A caridade cristã corresponde ao evento histórico de um Deus que morreu e ressuscitou por nós e pede a seus filhos que não sejam meramente filantrópicos, mas que sejam, eventualmente, crucificados por amor”.

O cristão ama a verdadeira Luz

Sobre a total incompatibilidade entre ser católico e aderir à maçonaria, o presidente da Pontifícia Academia de Teologia enfatiza que “dentro da maçonaria, são desenvolvidas tramas de poder oculto que estão em contradição com a ação cristã. Em suma, quando falamos de inconciliabilidade, estamos nos referindo a profundas contradições. Não podemos nem mesmo apelar para a oposição do teólogo Romano Guardini para dizer que eles podem estar juntos”.

Mistério versus esoterismo

Outro ponto importante de divergência é o esoterismo – composto de doutrinas espirituais que muitas vezes são secretas e reservadas – que permeia os ensinamentos maçônicos. “Mesmo no catolicismo”, especifica dom Staglianò, “falamos de Mistério. Mas os Evangelhos nos dizem que o Mistério escondido ao longo dos séculos não deixa de ser Mistério, mas deixa de ser escondido. Porque o Mistério escondido ao longo dos séculos foi revelado”.

A condenação constante da Igreja

Traçando a constante condenação da Igreja à maçonaria ao longo dos séculos, Staglianò faz questão de recordar a última resposta do Dicastério para a Doutrina da Fé a um bispo das Filipinas, datada de 13 de novembro de 2023 e aprovada pelo Papa Francisco, na qual reitera que a associação ativa continua proibida: “Os fiéis”, conclui, “que aderem às lojas maçônicas estão em um estado de pecado grave e não podem, absolutamente, ter acesso à Comunhão”.

Vatican News
Imagem capa: Pixabay